Notícias

Você é o que você come

Confira a entrevista exclusiva sobre modulação intestinal com o Cientista e Nutricionista Murilo Pereira.

29/08/2018 - 11:30

A Macela Dourada trouxe para Vitória da Conquista o tão esperado Curso Intensivo de Modulação Intestinal.  O curso foi ministrado pelo nutricionista Murilo Pereira, que apresentou as novas perspectivas sobre o funcionamento do intestino com a finalidade de melhorar a saúde das pessoas. Os profissionais que participaram, saíram entusiasmados para usar os novos conhecimentos sobre a Modulação Intestinal em seus consultórios.

 

Murilo Pereira, Maísa Canesin e Dra. Veruza Sampaio.

 

Nossa equipe teve a oportunidade de conversar com o nutricionista Murilo Pereira. Cientista e professor, tem levado os novos estudos sobre educação alimentar e Modulação Intestinal, por intermédio do curso oferecido a médicos e nutricionistas, a muitos lugares do Brasil. Pereira falou sobre como a alimentação ocidental tem interferido na saúde e bem-estar das pessoas.

Em qual momento da sua vida profissional você resolveu aprofundar os estudos sobre modulação intestinal?

Desde 1998 eu estudei microbiologia humana, mais especificamente a dos alimentos. Minhas bolsas científicas e meu mestrado foram todos nesse tema também. Em 2012, fui convidado a estudar as relações dos microrganismos com o homem e foi então que surgiu o encantamento por microbiota intestinal e a interface disso com a saúde humana. A partir daí me dediquei a estudar exclusivamente ao tema disbiose intestinal.

O que te levou a sair das salas de aula para viajar o Brasil dando aulas para profissionais da saúde?

Eu fui docente e coordenei o curso de nutrição por 11 anos. Hoje eu me considero um estudioso que traz a visão prática da ciência aplicada na saúde das pessoas a partir dos novos conceitos de modulação intestinal. Quando surgiu a ideia do curso, eu procurei alguns parceiros no Brasil para que eu pudesse levar um pouco do que tenho estudado para diferentes cidades do país. O propósito do curso é trazer a perspectiva da alimentação mais adequada e também com possibilidades de terapia dos indivíduos que desenvolveram doenças por conta de um padrão alimentar equivocado durante anos. Vamos melhorar o mundo a partir deste curso. E quando você melhora a vida de alguém, e essa pessoa melhora a vida de outras, aí a gente atinge o principal objetivo que é melhorar a vida de muita gente.

 

 Como a disfunção intestinal pode afetar a saúde das pessoas?

Hoje a gente tem o padrão alimentar ocidental chamada de dieta de lanchonete ou high fat diet, que tem trazido muitos problemas. O maior deles é a disbiose intestinal que é um termo dado ao desequilíbrio da microbiota intestinal, onde ocorre uma alteração na qualidade ou quantidade de bactérias no intestino. Acredita-se que as principais doenças derivadas da microbiota intestinal alterada são as metabólicas, autoimunes e cognitivas do sistema nervoso central. As doenças autoimunes acontecem devido à permeabilidade intestinal alterada. Quanto maior a permeabilidade intestinal a compostos não digeridos, maior a probabilidade do desenvolvimento de anticorpos que desenvolverão uma resposta que pode combater o próprio corpo. Entre essas nós temos: Lúpus, Psoríase e Artrite Reumatoide. Já no grupo das doenças metabólicas estão: Obesidade, Resistência à Insulina, Diabetes, Síndrome do Ovário Policístico e Infertilidade.  E, por fim, as doenças do sistema nervoso central que são: Estresse, Depressão, Autismo ou Espectro Autista, Esclerose Múltipla, Parkinson e Alzheimer. Essas doenças são crônicas e acontecem devido a uma alimentação errada a longo prazo. Tem gente que durante 20 anos tem o hábito de tomar leite com achocolatado, pão e margarina. Em algum momento as consequências disso vão aparecer, pois o corpo não é um lixo para ser depósito de comidas ruins.

 

 

Como estas doenças do sistema nervoso são desenvolvidas?

Existe uma comunicação íntima entre intestino e cérebro, uma das causas talvez seja a depleção de nutrientes, ainda no intestino, causada por um processo de inflamação de baixo grau para mobilização de macrófagos a partir de citocinas inflamatórias intestinais que acabam combatendo a barreira hematocefálica. Com isso vai ocorrer uma alteração da permeabilidade do próprio cérebro, diminuindo a produção de serotonina e componentes do sistema nervoso central. É por isso que a depressão e ansiedade também estão intimamente relacionadas ao intestino. Indivíduos que evacuam todos os dias e têm um fluxo intestinal normal são pessoas menos enfezadas.

 

A estética reflete diretamente na auto-estima das pessoas. Como o intestino pode interferir na beleza da pele e cabelo?

Hoje, parece que estamos entendendo que os problemas de acne, Acantose nigricans e celulites têm origem a partir de um processo inflamatório intestinal. Minimizar esta inflamação é algo que faz com que o indivíduo tenha um equilíbrio metabólico e por isso melhore pele, cabelo, unha e até mesmo o aparecimento das celulites.

 

 

Além da mudança de hábito alimentar, quais são os tratamentos existentes para as doenças originadas da disbiose intestinal?

O paciente quer recuperar em três meses tudo o que ele fez de errado em 30 anos de vida. Hoje a indústria dos nutracêuticos permite isso usando estratégias de suplementação nutricional que podem fazer esta melhora temporária até que o paciente tenha uma adequação ao novo estilo de vida.
Temos alguns componentes como ômega 3, berberina, cápsulas de alho, padronizados de gengibre, gengirol e a utilização de prebióticos e probióticos.  Miligramas desses componentes podem alterar muito a característica do microbioma e diminuir doenças metabólicas.

 

Participantes do curso:

 

 

Farmacêuticas da  Macela Dourada e e a Dra. Carolina Borba:

 

 

 

Comentários

Os comentários aqui descritos não respresentam opnião da Revista Personnalité e é de inteira responsabilidade do usuário.